Artroscopia de punho: Entenda o procedimento

Atualizado em: 12/03/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

5 minutos

[wpseo_breadcrumb]

Artroscopia de punho é uma cirurgia minimamente invasiva, bastante utilizada para o tratamento de lesões de mão e punho. Geralmente, o procedimento é realizado por meio de pequenas incisões, com cerca de 0,5 a 1 cm. As imagens da região afetada são aumentadas e projetadas em um monitor de vídeo. No post de hoje, vamos falar mais sobre essa técnica. Continue nos acompanhando!

A imagem mostra um médico com as mãos no punho do paciente.

Como é feita a artroscopia?

Conforme dissemos, a artroscopia é pouco invasiva. Primeiramente, são feitas pequenas incisões (duas) e introduzidas óticas finas e delicadas, acopladas a um sistema de vídeo. Desta forma, são proporcionadas imagens nítidas dos ligamentos e articulações da região afetada.

Além disso, são inseridos instrumentos que possibilitam o reparo das estruturas que foram comprometidas. A principal vantagem da artroscopia de punho é a redução do dano, quando comparado com maiores incisões, que são feitas em cirurgias convencionais ou abertas.

Indicação da artroscopia

Em geral, a artroscopia é uma das técnicas cirúrgicas utilizadas para tratamento de lesões que acometem a mão e o punho. Mas, também pode ser feita para fins diagnósticos. Isto é, quando exames auxiliares como a radiografia e a ressonância magnética não foram suficientes. Assim sendo, a técnica ajuda a avaliar a integridade das estruturas, com a vantagem de poder tratar as lesões.

A artroscopia, então, é indicada para corrigir:

  • Inflamações;
  • Rupturas de ligamentos;
  • Artrites;
  • Fraturas.

A artroscopia substitui uma cirurgia aberta convencional?

Na realidade, essa é uma técnica diferente, que apenas pode auxiliar ou complementar uma cirurgia aberta. Isto significa que nem todos os procedimentos poderão ser realizados por vídeo.

Desta forma, a técnica não chega a substituir uma cirurgia mais invasiva, principalmente quando existem lesões mais extensas ou graves, na qual esse procedimento não será suficiente para tratar.

Porém, algumas cirurgias, mais precisamente as convencionais, podem utilizar a artroscopia como um auxiliar. Por exemplo, para ajudar no tratamento de fraturas, e avaliar se estão bem alinhadas.

Pós-operatório

O tempo de recuperação após a cirurgia dependerá da patologia, do seu grau e do tipo de procedimento realizado pelo médico ortopedista especialista em cirurgia da mão. É muito comum que o paciente receba de um a dois pontos para fechar as incisões.

Além disso, uma tala de gesso pode ser utilizada para complementar o tratamento, permitindo o movimento dos dedos. Esse tipo de curativo permanece fechado nos primeiros 5 a 7 dias, de acordo com um protocolo indicado pelo médico assistente.

Dependendo do procedimento, o paciente já pode fazer uso de uma imobilização menor, ou até mesmo, uma tala removível. O tempo de cicatrização da estrutura é igual ao de uma cirurgia aberta. Porém, a recuperação é mais rápida, pois o tamanho do corte é menor.

Existem riscos?

Os riscos deste tipo de cirurgia são inerentes a qualquer procedimento invasivo, tais como infecção, rigidez, inchaço excessivo, sangramento, cicatrizes, lesão de tendões ou de nervo sensitivo local.

Mas, com a avaliação adequada da lesão, e com um cirurgião e equipe bem preparados para fazer uso desta técnica, os riscos serão menores. O médico discutirá sobre essas possíveis complicações antes mesmo da cirurgia.

Em resumo, a artroscopia de punho é uma modalidade de investigação ou tratamento, menos agressiva que uma cirurgia convencional, sendo muito indicada em diversas patologias.

Você já passou por um procedimento como este? Conte-nos como foi e se obteve um resultado satisfatório com o tratamento.

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.