Características da Lesão do plexo braquial

Atualizado em: 12/03/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

2 minutos

Início » Características da Lesão do plexo braquial

O que é a lesão do plexo braquial?

A lesão do plexo braquial acomete as ramificações nervosas que saem da região cervical e que migram para o nosso membro superior.

Essas ramificações nervosas são responsáveis por todo o suprimento de mobilidade voluntária, ou seja, toda a parte de movimento de força. Além disso, também são responsáveis por toda a capacidade de sensibilidade que a gente tem dos membros superiores.

Essa lesão pode ser parcial ou total, e causar algum déficit de mobilidade e sensibilidade, dependendo do quanto a função do braço foi comprometida.

Existem muitos casos onde essa é uma condição transitória, ou seja, algumas lesões se recuperam sozinhas e outras são um pouco mais extensas e necessitam de intervenção cirúrgica.

Vale lembrar que essa lesão, na grande maioria das vezes, tem relação com acidentes automobilísticos, principalmente relacionados à velocidade com motos. Logicamente existem outras situações, como quedas, mas a grande maioria está envolvida em acidentes de alta velocidade.

Relacionados ao tema

Lesão do plexo braquial x AVC

AVC (acidente vascular cerebral) é uma lesão vascular que atinge a região cerebral, que é de onde partem todos os impulsos, e todas as informações que a gente gera para estimular a musculatura e o movimento voluntário. Já a lesão do plexo braquial é periférica.

Apesar de o aspecto físico trazer alguma semelhança, ou seja, o membro atrofiado com pouca mobilidade, não podemos dizer que uma coisa produz a outra. Contudo, não possuem relação.

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 18 =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.