Dedo em botoeira: o que é e tratamento

O que é dedo em botoeira?

A lesão do tendão extensor, conhecida como dedo em botoeira, normalmente é proveniente de algum trauma que faz uma laceração do aparelho extensor, ou seja, do tendão que nos ajuda a fazer o movimento de extensão do dedo.

Normalmente, esse é um comprometimento que a acaba atingindo a região da articulação inicial, o que a gente chama de articulação interfalangeana proximal.

O tendão que deveria fazer com que a gente estique o dedo se rompe e geralmente por um mecanismo de trauma.

Essas lesões normalmente num primeiro momento acabam passando despercebidas e tratadas apenas como uma contusão, como uma lesão de menor importância.

Às vezes, no pronto socorro, nesses primeiros atendimentos, os profissionais acabam subdiagnosticando essa lesão. Com o decorrer dos dias, a gente vai começando a notar certa deformidade e curvatura da articulação justamente pela falta do puxar do extensor.

O que acontece? Essa lesão tende a se agravar quanto mais tempo permanece sem diagnóstico. Pode levar até a uma rigidez e incapacidade de extensão do dedo naturalmente.

Procure o especialista!!!

Sofreu uma lesão, começou a ter uma deformidade e inflexão, ou seja, uma queda da articulação, não deixe de procurar um atendimento específico principalmente com o ortopedista e de preferência com o cirurgião de mão.

 

Tratamento do dedo em botoeira

A depender do tipo de lesão e a extensão da lesão, às vezes a gente vai preferir um tratamento mais simples, como uma proteção com tala, órteses ou até em certos casos pode haver a necessidade de um tratamento cirúrgico para corrigir.

Além desses fatos, principalmente quando a gente está falando de lesões agudas existem essas duas possibilidades; e nas lesões crônicas, às vezes há uma necessidade de proteção e órteses de correção, então acaba sendo uma lesão mais trabalhosa. É bom que a gente tome os cuidados devidos para evitar esse tipo de situação.

 

Resumo

Dedo em botoeira, resumidamente, é uma lesão do tendão extensor, muitas vezes é subdiagnosticada no momento inicial. Pode levar a uma deformidade e incapacidade da extensão da interfalângica proximal do dedo.

Então, esse é apenas um panorama mais básico, lógico que a depender da patologia há necessidade de uma complementação com exames, seja com raio-x, seja com ultrassom.

Não deixe de procurar um especialista na área.

dr fernando moya assinatura

Por Dr. Fernando Moya.

 

CRM 112046

Formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com residência em Ortopedia e Traumatologia, pelo instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Especialização em cirurgia da mão e microcirurgia também pelo Hospital da FMUSP.

faixa-dr fernando moya-300x2

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco

agsdi-whatsapp
Share This