Início » Síndrome do Túnel do Carpo: quais as cirurgias indicadas


A imagem mostra o Dr. Fernando Moya olhando para a câmera, sorrindo e de braços cruzados.Dr. Fernando Munhoz Moya
 GoogleMyCitations 
CRM: 112.046
Atualizado em: 24/08/2020 por Dr. Fernando Moya

Síndrome do Túnel do Carpo: quais as cirurgias indicadas

A síndrome do túnel do carpo ocorre quando há uma dormência ou formigamento que acomete principalmente os dedos da mão, normalmente o polegar, indicador e médio.

Uma vez estabelecido esse diagnóstico e as opções iniciais foram esgotadas, a gente acaba entrando as possibilidades de tratamento cirúrgico.

Tratamento para síndrome do túnel do carpo

Conceitualmente, temos duas alternativas que são as mais utilizadas em nossa rotina. Existem as técnicas convencionais, mais conhecidas como técnica aberta e existem as modalidades de tratamento minimamente invasivas.

Tratamento convencional

Basicamente, o tratamento aberto é feito através de uma incisão um pouquinho maior do que a outra modalidade. Em geral, quando vamos lesar o procedimento, fazemos um corte de mais ou menos 3 a 4 centímetros na região palmar da mão.

Realizamos a dissecção de cima para baixo, ou seja, atravessando as camadas até atingir o nível do ligamento transverso do punho. Através da liberação desse ligamento a gente vai acessar o nervo mediano e será feito a descompressão.

A vantagem desta técnica é trabalhar com o passo a passo, ou seja, ao mesmo tempo em que você vai abrindo todas as camadas, tem uma visualização direta. Portando, acaba sendo um tratamento mais seguro em comparação a outra modalidade.

Tratamento minimamente invasivo

Na modalidade por vídeo, minimamente invasiva ou endoscópica, você faz uma incisão um pouco menor. O tamanho é de uma polpa de um dedo, mais ou menos de 1cm a 1,5cm.

É uma incisão um pouquinho mais para a região do punho na técnica de Aegir. Através desta incisão a gente confecciona o portal, introduz uma lâmina por meio de uma cânula e faz a visualização do ligamento transverso do punho, a gente faz uma ligação interna desse ligamento.

Através desse dispositivo que tem a cânula e a lâmina, a gente dispara um gatilho e a lâmina faz um recorte deste tecido de baixo para cima, ou seja, interna.

Essa tática tem uma dissecção muito menor, mas quando a gente compara estatisticamente, ela tem uma leve piora em relação ao êxito se comparado com a técnica aberta.

Qual a melhor técnica para mim?

Tudo isso é uma questão que vai da preferência do cirurgião, do costume que ele tem de fazer os procedimentos através de vídeo ou do método abeto.

Nós temos uma cirurgia um pouco mais simples e uma cirurgia com um grau de eficiência maior. Porém, a escolha mais adequada para determinados casos varia da habilidade de cada cirurgião para executá-las.

Além disso, outros fatores como a questão da anatomia do nervo e cirurgias prévias também influenciam na decisão.

Mais uma vez: cada caso é um caso e cada caso tem que ser avaliado com o médico para decidir qual modalidade mais adequada.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − catorze =

dr fernando moya assinatura

Por Dr. Fernando Moya.

 

CRM 112046

Formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com residência em Ortopedia e Traumatologia, pelo instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Especialização em cirurgia da mão e microcirurgia também pelo Hospital da FMUSP.

faixa-dr fernando moya-300x2

 

Fale Conosco

× Agendar Consulta.