Artroscopia de punho: como funciona?

Atualizado em: 18/03/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

4 minutos

Início » Artroscopia de punho: como funciona?

A artroscopia do punho é uma cirurgia pouco invasiva, com a realização de pequenas incisões, geralmente duas, na região afetada. Em uma destas incisões, é inserida uma mini câmera, que transmite as imagens em tempo real.

Continue lendo para saber mais informações sobre a artroscopia de punho, quando ela pode ser indicada e como funciona a recuperação do paciente. 

A imagem está focada nas mãos do doutor segurando o antebraço de um paciente.

Artroscopia: realização do procedimento

Conforme dissemos, a artroscopia de mão é uma técnica minimamente invasiva, bastante comum na área de ortopedia, e nos últimos anos, ela vem evoluindo muito e se mostrando bastante eficaz para tratamentos, inclusive para casos de lesões de mão e punho.

O procedimento é realizado por meio de pequenas incisões de cerca de 0,5 cm. Primeiramente, são introduzidas óticas finas e delicadas, acopladas ao sistema de vídeo.

Desta forma, são proporcionadas imagens nítidas dos ligamentos e articulações da mão. Também são introduzidos instrumentos que possibilitam o reparo das estruturas comprometidas.

A principal vantagem desta cirurgia da mão é a redução do dano, quando comparado com as incisões maiores, feitas em cirurgias convencionais ou abertas.

Relacionados ao tema

Indicação da artroscopia

Normalmente, essa técnica cirúrgica é utilizada para tratamento. Mas, também pode ser realizada para fins diagnósticos, quando exames auxiliares, tais como a radiografia e ressonância magnética, não são suficientes ou inconclusivas.

Em casos de tratamento por artroscopia, ela tem indicação para corrigir inflamações, rupturas de ligamento, artrites e até fraturas. Porém, não chega a substituir uma cirurgia aberta mais invasiva, principalmente quando existem lesões mais extensas/ graves, onde esse procedimento isoladamente não será suficiente.

Existem também procedimentos que combinam ambas as técnicas, sendo mais uma ferramenta para casos escolhidos.

Recuperação do paciente

Ao final da cirurgia, o paciente recebe de um a dois pontos para fechar as incisões, com a aplicação de curativo esterilizado no local. Uma tala de gesso poderá ser utilizada para complementar o tratamento cirúrgico. O tempo de recuperação dependerá da patologia e do tipo de procedimento realizado.

O que achou do post de hoje? Deixe seu comentário!

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − um =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.