Bicicleta e dores no Punho

Atualizado em: 22/04/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

3 minutos

Início » Bicicleta e dores no Punho

Quando começa a discussão sobre patologias relacionadas à bicicleta, é necessário falar sobre a postura e como minimizar os efeitos de quem usa a “bike” no dia a dia ou aqueles que fazem a prática esportiva da bicicleta, e as patologias mais comuns.

Postura adequada:

A primeira coisa que temos que refletir é a postura de guiar a bicicleta, a postura do guidão e de sentar.

O que orientamos nesses casos é minimizar as posturas mais extremas, ou seja, tudo o que a gente flete ou estende para apoiar, cotovelo muito fletido ou estendido pode desencadear processos dolorosos e inflamatórios por esses maus posicionamentos. Os ajustes do banco ou do próprio apoio do guidão são interessantes.

Relacionados ao tema

Patologias do punho:

É necessário prestar atenção se você começar a notar essas patologias da mão. Algumas são bastante recorrentes dependendo do jeito que você apoia.

Existem as tendinites pelo posicionamento de muita flexão e extensão, uma dor no dorso do punho ou de baixo do punho podem ser decorrentes desse excesso de flexão e extensão.

Outra coisa bastante comum nos ciclistas é certa dormência que acontece principalmente nos dedos, quarto e quinto dedo, essa dormência se deve muitas vezes pelo impacto no punho e pela posição de apoio que o ciclista usa. Não é infrequente ter dormência nos três primeiros dedos, também pela trepidação e próprio apoio da “bike”.

Outras patologias que estão decorrentes do uso da “bike” são muito relacionadas às quedas, como fraturas, lesões de dedos ou de punho. Basicamente, a prevenção é o uso de material de proteção adequado.

Cuidados:

Para quem tem essas pequenas queixas, pode usar uma luva com acolchoamento, material de segurança e fazer alongamentos durante e antes da prática de pedalada.

Alongar punho, cotovelo, braço, mobilizar toda a cadeira superior é importante na prevenção das tendinites.

Dependendo da sua patologia pode ser necessária uma complementação de exames, uma avaliação clínica mais criteriosa. Se os sintomas forem persistentes é recomendado fazer uma avaliação, mas em termos de prevenção essas mobilizações e proteções são excelentes ideias.

O que achou do post de hoje? Deixe seu comentário

Compartilhe nas redes sociais!

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − seis =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.