Entenda o que é Tenossinovite de Quervain e descubra como tratar

Atualizado em: 22/03/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

5 minutos

[wpseo_breadcrumb]

Tenossinovite de Quervain é um processo inflamatório que acomete os tendões extensores da região lateral do punho. Essa condição é também chamada de Moléstia de Quervain, muito comum em pessoas adultas de 30 a 50 anos de idade.

No post de hoje, falaremos mais sobre a tenossinovite, os sintomas e as formas de tratamento deste tipo de problema. Acompanhe!

A imagem mostra uma mulher segurando seu pulso esquerdo.

O que pode causar a Tenossinovite de Quervain?

Geralmente, a Tenossinovite de Quervain se desenvolve por conta de lesões na região do punho, que podem ocorrer em função de movimentos repetitivos das atividades realizadas no dia a dia.

Mas, essas causas também podem estar relacionadas com outras doenças inflamatórias, como as doenças reumatológicas.

Além destes fatores, o movimento realizado com o punho ao jogar vídeo game, usar aparelho celular ou praticar esportes como o tênis, também podem contribuir com a tenossinovite.

Algumas condições fisiológicas podem ser consideradas. Isto é, mulheres em período de gestação, na fase de puerpério, ou indivíduos que já tenham sofrido alguma fratura anteriormente, também estão predispostas a este tipo de problema.

Os principais sintomas e diagnóstico

Um dos principais sintomas da Tenossinovite de Quervain é a dor. Geralmente, ela tem início na base do dedo polegar, se estendendo até o meio do antebraço.

Muitas vezes, por conta dessa extensão, não é possível identificar o ponto exato de onde a dor começa. Vale lembrar que ela pode se manifestar de forma repentina e evoluir com o tempo.

Outros possíveis sintomas de tenossinovite que podemos destacar são:

  • Dificuldade para movimentar o polegar e o punho;
  • Sensação de que o dedo polegar está travado ao movimentá-lo;
  • Inchaço na região afetada.

Em alguns casos, o atrito entre os tendões acaba se tornando expressivo demais, fazendo com que seja emitido um ruído, chamado crepitação.

O diagnóstico costuma ser feito através de um exame clínico e tem teste chamado Teste de Finkelstein que se positivo, costuma ser bastante indicativo da patologia.

E quais as formas de tratamento?

Para tratar a Tenossinovite de Quervain é necessário conter as atividades e movimentos que fazem com que o problema aconteça. Assim sendo, é indicado ao paciente repouso e o uso de imobilizadores de polegar e punho, em alguns casos.

Outro método bastante eficaz é a reabilitação, que ajuda a aliviar os sintomas e a inflamação. Pode ser que o médico ortopedista especialista em cirurgia da mão também indique medicamentos para complementar o tratamento, como anti-inflamatórios e analgésicos.

Uma outra opção de tratamento é o uso de infiltração com corticoide no local da queixa, principalmente se o problema apresentar resistência. Neste caso, a aplicação será uma ótima forma de tratar a tenossinovite.

Se não houver sucesso nessas tentativas ou houver contraindicações ao tratamento inicial, opta-se pela correção cirúrgica da patologia, que aliás, apresenta elevados índices de satisfação dos pacientes.

De qualquer forma, a escolha do tratamento será feita pelo médico ortopedista especialista em cirurgia da mão, após a avaliação do caso. Por isso, é importante consultá-lo assim que notar algum sintoma característico desse tipo de problema.

Agora conte-nos: você já sofreu com a Tenossinovite de Quervain? Qual foi o tipo de tratamento indicado para o seu caso?

Compartilhe o conteúdo em suas redes sociais e até o próximo post!

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − onze =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.