Lesão do plexo braquial

Atualizado em: 18/03/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

4 minutos

Início » Lesão do plexo braquial

Uma pergunta foi feita em nosso canal do Youtube:

“Eu tive lesão do plexo com uma recuperação de mão e punho, porém, tenho um déficit no ombro. O que eu posso fazer?”

Causas de lesão do plexo braquial

Em primeiro lugar, esse tipo de lesão é causado por dois motivos, são eles:

Lesão do plexo braquial de origem, geralmente ocorre no parto, que é a chamada paralisia obstétrica.

Lesão do plexo braquial traumática, geralmente causada em acidentes de alta velocidade com motocicleta.

Lesão do plexo braquial aguda e crônica

Na fase aguda

Existe um certo tempo em que é considerável o ideal para o tratamento dessas lesões. Na fase aguda, o ideal é que a gente consiga dentro de 6, 9 ou 12 meses para ter uma recuperação mais positiva.

A lesão do plexo braquial provoca situações de bastante limitação. Portanto, quando antes tratar, mais rapidamente conseguimos diminuir os efeitos de limitação.

Na fase crônica

Nas lesões dito crônicas, quanto mais tarde a lesão for tratada, menos intervenções favoráveis teremos, restando apenas o procedimento que chamamos de salvação.

Caso o quadro do paciente tenha passado da fase aguda e ele sinta uma dificuldade de mobilização do ombro, temos que realizar os procedimentos que ajudam a estabilizar o ombro e favorecer o funcionamento da mão e cotovelo.

Relacionados ao tema

Tratamento para a lesão do plexo braquial

Artrodeses

As artrodeses que são as fusões ósseas do ombro. Hoje em dia, existem vários grupos pesquisando e aplicando esse método em nossa rotina. Cada vez mais tem apresentado resultados bastante satisfatórios.

Transferências musculares

As transferências musculares também podem estabilizar o ombro. O método funciona da seguinte maneira: realiza-se uma transferência microcirúrgica na região do músculo afetado para favorecer a estabilização e ganhar o movimento de flexão de cotovelo.

Resumindo

O tratamento depende do tempo de evolução da lesão. Se o paciente encontra-se a pouco tempo nesse estado, terá mais ferramentas para tratar, caso esteja a muito tempo, terá poucas ferramentas.

Caso a lesão seja aguda, talvez uma transferência nervosa ou um reparo de nervos seja útil e restabeleça o movimento do ombro. Porém, caso seja crônica, apenas procedimentos secundários, como os de salvação, serão uteis nesta situação.

O que achou do vídeo de hoje? Deixe seu comentário e compartilhe!

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
2 Comentários
  1. Maria Suzana Quirino Pereira

    Tenho tuplutren na mão direita tem cura tá afetando o 5 dedo

    Responder
    • Dr. Fernando Moya

      Bom dia
      É possível que seu diagnóstico seja a Moléstia de Dupuytren? Sendo positivo, sim, há tratamento. Dependendo da intensidade e abrangência pode ser um tratamento mais simples ou por vezes até cirúrgico. Sugiro dar uma conferida nos vídeos do meu canal no YouTube para que a Sra. confirme o diagnóstico e fico à disposição para acompanhamento.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.