Início » Moléstia de Quervain: como tratar?


A imagem mostra o Dr. Fernando Moya olhando para a câmera, sorrindo e de braços cruzados.Dr. Fernando Munhoz Moya
 GoogleMyCitations 
CRM: 112.046
Atualizado em: 24/08/2020 por Dr. Fernando Moya

Moléstia de Quervain: como tratar?

A Moléstia de Quervain, chamada também de Tenossinovite de Quervain, é uma doença causada por uma inflamação dos tendões responsável por alguns movimentos do dedo polegar. A doença causa dores, inchaço e dificulta os movimentos do indivíduo devido à inflamação.

Continue lendo para saber mais informações sobre a doença, e qual a melhor forma de tratamento, de acordo com o médico especialista em mãos.

Principais sintomas de Moléstia de Quervain

O principal sintoma de Moléstia de Quervain é a dor, que tem início na base do polegar, e que pode se estender até o antebraço. Por conta de toda essa extensão dolorosa, algumas vezes, o indivíduo acaba não conseguindo identificar exatamente onde a dor começa.

Quando o atrito entre os tendões já se tornou expressivo demais, os movimentos poderão emitir ruídos, algo denominado como crepitação. Também é possível ocorrer inchaço na borda lateral do punho (prolongamento do polegar), e dificuldade para movimentar o dedo.

A doença é muito mais comum em pessoas adultas, na faixa dos 30 aos 50 anos de idade, sendo que as mulheres são dez vezes mais afetadas do que os homens, nessa mesma faixa etária.

Como tratar a Moléstia de Quervain?

Primeiramente, para tratar uma doença como a Moléstia de Quervain, será preciso abster a articulação dos movimentos e atividades que fazem com que o problema ocorra. Desta forma, é recomendado então o repouso do indivíduo, e em alguns casos, o uso de imobilizadores de polegar e punho, que possam poupar a região inflamada.

A fisioterapia também é um método muito eficaz para tratar o problema. Ela ajuda a aliviar a inflamação e os sintomas. Para complementar pode ser necessário associar medicamentos para alívio dos sintomas. Geralmente, são indicados medicamentos com princípios ativos analgésicos e anti-inflamatórios.

O uso de corticoide, muitas vezes, será necessário também, quando o problema apresentar maior resistência, ou por uma decisão terapêutica. Nesse caso, a aplicação local (infiltração) é uma excelente pedida, obviamente em casos selecionados.

Quando o quadro do paciente se agrava, e existe um comprometimento severo de suas atividades diárias, o médico poderá indicar uma cirurgia, para devolver a mobilidade para os tendões, sendo uma cirurgia relativamente simples e com poucos riscos.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − doze =

dr fernando moya assinatura

Por Dr. Fernando Moya.

 

CRM 112046

Formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com residência em Ortopedia e Traumatologia, pelo instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Especialização em cirurgia da mão e microcirurgia também pelo Hospital da FMUSP.

faixa-dr fernando moya-300x2

 

Fale Conosco

× Agendar Consulta.