Tendinite: piora no inverno?

 

Você já reparou que quando temos algum problema de saúde os sintomas e incômodos parecem ficar mais intensos em determinado horário do dia ou época do ano? Isso acontece porque algumas condições são mais favoráveis (ou desfavoráveis) para o funcionamento do organismo, assim, desencadeiam reações.

No caso da tendinite ela costuma incomodar mais durante os dias ou meses frios, causando limitações para quem tem esse problema. Preparamos este artigo para explicar por que isso acontece e deixar algumas dicas para minimizar os sintomas e ter mais bem estar, mesmo nesses períodos. Continue lendo e veja como cuidar melhor da sua saúde.

A tendinite e seus sintomas:                                                                                     

Tendinite é um processo irritativo que acomete os tendões. Esse problema acontece quando, por exemplo, existe um esforço excessivo dessa estrutura ou então uma articulação que fica sobrecarregada por causa de movimentos repetitivos.

Outras condições também podem desencadear esse problema como no caso de:

  • falta de alongamento muscular antes de tarefas e exercícios;
  • adoção de uma postura inadequada;
  • avanço da idade;
  • estresse elevado;
  • doenças autoimunes.

Esse problema costuma manifestar sintomas que se iniciam com uma dor local, mas pode irradiar para a musculatura que está ao redor da área atingida. Acontecem também espasmos, fadiga e sensação de peso. A dor e piora bastante com o movimento e provoca a perda da força, muitas vezes durante períodos prolongados. Ainda manifestam-se inchaço, vermelhidão e calor no local.

Veja também: Tendinite – o que pode causar?

Por que a tendinite piora no inverno:

Uma pessoa que tem tendinite sente dificuldades para movimentar a articulação que foi afetada por essa inflamação. Além da perda de força e a limitação dos movimentos, também ocorrem dores e incômodos mesmo quando o indivíduo está em repouso.

Entretanto, quando a temperatura fica baixa essas manifestações são agravadas e incomodam ainda mais. Isso acontece devido às condições do organismo quando está submetido a esse clima ameno.

Quando faz frio, nosso sistema vascular desencadeia um processo chamado de vasoconstrição. Isso significa que os vasos e veias do nosso corpo ficam mais estreitos, então, existe uma redução da quantidade de sangue que chega até os tendões.

Lembrando que o fluxo sanguíneo é responsável por levar nutrientes, oxigênio e calor para todas as partes do corpo, sendo assim, se ele não chega em quantidades adequadas para lubrificar as áreas afetadas pela tendinite essas estruturas ficam mais rígidas e tensas, o que dificulta ainda mais a movimentação e facilita o processo degenerativo, levando ao aumento da dor.

Como evitar que a tendinite se agrave no frio:

Nos dias mais frios, quando estamos em ambientes fechados, ainda conseguimos manter uma temperatura equilibrada para o nosso organismo. No entanto, não há como ficar trancado o tempo todo esperando que o calor volte.

Então, para evitar que os sintomas da tendinite se agravem quando as temperaturas estão mais baixas é preciso adotar alguns hábitos e medidas que estimulem a circulação sanguínea. Veja a seguir algumas dicas:

Permaneça agasalhado:

Evite a perda de calor do seu corpo mantendo-se bem agasalhado. Preocupe-se também com as extremidades como os pés e as mãos. Isso porque a troca de calor com o ambiente se dá de forma expressiva nessas estruturas.

Beba bastante água:

É comum que em dias frios a ingestão de água seja reduzida, mas é fundamental manter o organismo hidratado para estimular o fluxo sanguíneo. Então, tenha uma garrafinha sempre ao seu lado e beba pequenas quantidades de água várias vezes, mesmo que você não esteja com sede.

Pratique exercícios físicos:

Apesar da preguiça gostosa que os dias frios causa, é muito importante evitar o sedentarismo para minimizar os sintomas da tendinite. Exercícios e atividades físicas estimulam o sistema cardiovascular, aquecem a musculatura e reduzem as dores.

Não se esqueça de que é fundamental tratar essa inflamação de acordo com a orientação de um médico, afinal, se essa condição não for tratada ela pode evoluir para complicações maiores e causar ainda mais limitação de movimentos.

dr fernando moya assinatura

Por Dr. Fernando Moya.

 

CRM 112046

Formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com residência em Ortopedia e Traumatologia, pelo instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Especialização em cirurgia da mão e microcirurgia também pelo Hospital da FMUSP.

faixa-dr fernando moya-300x2

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco

agsdi-whatsapp
Share This