Cuidados pré-operatórios e pós-operatórios

Atualizado em: 22/04/2021 por Dr. Fernando Moya -CRM 112046

5 minutos

Início » Cuidados pré-operatórios e pós-operatórios

O motivo desse vídeo é esclarecer algumas dúvidas, dar algumas ideias e poder esclarecer alguns pontos de questionamento dos pacientes.

Então, para esse tipo de paciente a gente vai ter um cuidado perioperatório. Existem dentro da cirurgia de mão casos onde outras doenças envolvem uma necessidade de intervenção com um pouco mais de cuidado ou com um pouco mais de agressividade.

Panorama pré-operatório

Os pacientes com a idade inferior a 50 anos que não tenham comorbidades (doenças associadas), coisas mais simples resolvem as necessidades pré-operatórias. Contudo, um exame de sangue e uma avaliação anestésica pré-operatória já devem ser suficientes.

Agora, se o paciente tem mais de 50 anos, tem alguma comorbidade já estabelecida não raro a gente acaba, além desses exames laboratoriais, associando a um eletrocardiograma, raio-x de tórax e principalmente uma avaliação cardiológica pré-operatória.

Muitas vezes o paciente questiona: poxa, mas é um procedimento tão simples, é uma coisa tão básica, preciso fazer mesmo? – Precisa! Para cirurgias eletivas a gente acaba utilizando o recurso dessas avaliações prévias para não ter nenhum tipo de surpresa na hora da cirurgia em si. No fundo isso é uma coisa preventiva.

Relacionados ao tema

Panorama pós-operatório

Obviamente que quando a gente está falando de lesões e quadros que demandam uma internação, às vezes uma lesão mais grave, todos os cuidados são poucos.

Então, as cirurgias de grande porte eu acho que não precisa nem discutir que há a necessidade de fato dessa avaliação cardiológica, que há a necessidade de todos os exames estarem em dia para que a gente possa fazer o procedimento com mais segurança.

Lógico que para cada cirurgia vai ter uma determinada conduta. Às vezes, cirurgias que demandam cuidados com a imobilização devem evitar sujar e molhar.

Quando houver um curativo, ouça o seu cirurgião, ouça o seu médico para ver se você pode tirar esse curativo em casa ou não, se você pode molhar ou não esse curativo. Isso tudo é muito importante.

Evite a exposição!

Nesses primeiros dias após a cirurgia a gente tem muito risco de contaminação pela questão da exposição da ferida. Então, em particular nos meus pacientes eu acabo sugerindo evitar a exposição e evitar molhar a ferida pelo menos 5 dias do pós-operatório no mínimo. Mas como eu disse, cada cirurgia e cada cirurgião tem uma metodologia de trabalho.

Se a gente vai ter drenos, se vai deixar curativos para serem trocados na clínica ou em casa, cada caso vai ter a sua especificidade. Discuta com o seu médico.

Mas algumas coisas básicas são interessantes de serem vistas, por exemplo, se você tem a liberdade ou deixou uma proteção e deixou os dedos livres, não tenha dúvida, normalmente pode mexer. Isso inclusive com o cotovelo e ombro é importante que não deixe o dia todo com o braço parado.

Manter a mão pra cima, por exemplo, nos casos de cirurgia especificamente na mão também é útil porque evita o acúmulo de líquido nas extremidades, ou seja, os inchaços nas extremidades.

Entretanto, manter a mão elevada numa tipoia é uma boa ideia. Na hora de deitar apoie uma almofadinha e mantenha a mão elevada durante o decúbito também é bastante interessante.

Você sabe o que é formigamento nas mãos? Confira aqui!

Esses são cuidados muito gerais e eu repito, cada cirurgião e cada cirurgia têm a sua especificidade. Esse é só um panorama pra que vocês entendam um pouco da dinâmica do pré e do pós-operatório.

O que achou do post de hoje? Compartilhe e deixe seu comentário!

Sobre o Autor

Sou Fernando Munhoz Moya Ortopedista CRM 112046 graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em 2003.
0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 2 =

Últimos Posts

Doença de Preiser

Doença de Preiser

A Doença de Preiser é muito rara e não se sabe qual sua causa, por isso o tratamento não é único, precisa ser diagnosticado caso a caso. Veja o que o Dr. Fernando Moya tem a dizer.

ler mais
× Agendar Consulta.